Saiba quais são os riscos da portaria eletrônica

Gestão de facilities: como vencer os obstáculos da sustentabilidade?
16/05/2018
Como os shoppings centers podem ser beneficiados com a terceirização?
07/06/2018

A segurança de condomínios é sempre um assunto muito importante de ser discutido e, principalmente, de ser bem executado. Recentemente, com o avanço da tecnologia, surgiu o sistema de portaria eletrônica. Por meio desse dispositivo, a presença do porteiro tornou-se dispensável. No entanto, a utilização desse serviço pode dar margem para o acontecimento de situações prejudiciais ao condomínio. Pois, embora, a portaria eletrônica ofereça uma sensação aparente de tranquilidade, a ausência de um profissional ignora diversas questões de segurança.

Quando se faz uso apenas da portaria eletrônica, os moradores podem abrir o portão principal para pessoas estranhas. Até mesmo se o condômino se deslocar ao portão para conferir quem bate no interfone, esse contato pode oferecer riscos. Nesse caso, a presença do porteiro pode evitar problemas, visto que esse profisional realiza o contato prévio com os visitantes na portaria. O sistema de portaria eletrônica também não é capaz de fornecer relatórios dos horários de entrada e saída das pessoas. Enquanto essa é uma das atribuições do porteiro, que deve, portanto, fazer a contagem.

Além de não fornecer uma segurança plena, as portarias eletrônicas não realizam um serviço protetivo preventivo. Todo condomínio apresenta pontos fortes e fracos, que, para serem descobertos, necessitam da atuação de um profissional devidamente treinado para essa tarefa. Através do trabalho de fiscalização e rotina constante, o porteiro pode indentificar quais são as falhas de segurança do condomínio, bem como quais são as ações de proteção que têm gerado resultados positivos e podem ser potencializadas.

Assim como em todo sistema eletrônico, as portarias desse tipo também podem apresentar falhas que comprometem o seu funcionamento. Por essa razão, é importante ter um profissional a postos para acionar a manutenção quando a portaria sofrer algum tipo de falha ou dano. Outro ponto negativo desse tipo de dispositivo são os riscos financeiros resultantes dos inventimentos iniciais que devem ser feitos para sua instalação. Um dos riscos financeiros mais comum nos condomínios é da inadimplência, que pode afetar negativamento no investimento das portarias e, consequentemente, prejudicar toda a comunidade.

Outros graves problemas que podem ser causados pela portaria eletrônica são:

  • vulnerabilidade por causa da instabilidade na internet e na rede elétrica;
  • atendimento moroso;
  • não interação com encomendas;
  • não interação com pessoas idosas e com crianças (as quais, geralmente, acabam precisando de ajuda);
  • ausência de ajuda efetiva e contínua aos condôminos;
  • falta de fiscalização em relação à circulação dos visitantes;
  • maior alvo de arrastão dos condomínios.

Para todo investimento, é interessante calcular o ROI (Retorno Sobre o Investimento), a fim de certificar-se de que o retorno finaceiro compensará o investimento inicial e o prazo para que isso aconteça. Quando se trata de reduzir custos e otimizar a segurança, uma boa opção ainda é a terceirização. Pois, a contratação de uma empresa especilizada em serviços de segurança garante a oferta de profissionais habilitados e atualizados. O Grupo RBW tem uma gama de profissionais altamente capacitados para realização de serviços de segurança. Otimize os gastos do seus condomínio aplicando seu orçamento em investimentos que lhe oferecerão um custo-benefício vantajoso. Entre em contato com uma das unidades do Grupo RBW e faça um orçamento gratuito.

 

Comentários

comentarios

Contato